Olá meus amores!

Que saudade de vocês!

Tem tempo que não apareço por aqui, né?

Mas cá estou eu… em plena pandemia de Covid-19 e no meio dessa loucura toda de reabertura dos restaurantes.

Confesso que eu poderia estar feliz com essa nova realidade, esse novo cenário que mencionei no título deste artigo, pois finalmente deixamos de ser os profissionais chatos e cheios de frescura com higiene, por conta da pandemia, não é mesmo?

Se você ainda não entendeu, vou explicar.

Essa pandemia fez com que muitos estabelecimentos entendessem a importância de todas as normas de higiene cobradas por consultores, nutricionistas e pela Vigilância Sanitária.

Limpeza do ar condicionado não será mais um artigo de luxo.

Agora, ela é mais do que fundamental e os órgãos fiscalizadores (assim como nós, consultores) vão continuar cobrando, porém com um requinte a mais de rigorosidade.

Contudo, ouso dizer que estamos muito longe de ser o principal problema e o principal agente de cobrança nos estabelecimentos, pois a principal e maior cobrança vai vir daquele que paga pelo serviço, ou seja, O CLIENTE que, acima de tudo, está com medo.

Este cliente quer saber se o local é seguro não só em relação ao alimento que é servido, não só em relação às formas de preparo da comida, mas em relação a tudo!

E esse “tudo” engloba todas as etapas do processo produtivo, desde a escolha dos fornecedores, passando pelo recebimento e estoque da mercadoria e culminando no preparo da cozinha.

Ah! Lembrando que as cozinhas são abertas à visitação, ok?

Esse é meu ponto principal de hoje!

Fazer com que os donos entendam da onde vão vir as críticas.

Não adianta treinar o colaborador, que está lá no final da cadeia produtiva, se o dono não entender a importância dos processos.

Não vai adiantar gerir custos (aliás, o gestor que ainda não entender sobre CMV, essa é a hora de aprender, pois vai ser fundamental para a sobrevivência dos restaurantes nesse momento!) sem gerir os processos.

E nem todos os processos serão previstos em lei.

Como assim, Nathy?

Então vamos fazer algo ilegal?

Claro que não, Senhores!

Nós vamos apenas pensar além das legislações, até porque é impossível prever todas as soluções para todos os tipos de estabelecimentos que temos dentro do ramo de bares e restaurantes.

A criatividade nunca foi tão necessária.

Aliás, apesar de parecer soberbo o que vou escrever agora, o trabalho do consultor Especialista em Negócios de Alimentação nunca foi tão necessário, como neste momento de pandemia.

Vou destacar sete pontos importantes para a reabertura, ok?

Por que sete, Nathy?

Porque eu gosto desse número! rs

1 – Seu custo com material de limpeza vai aumentar.

Bastante.

Então, comece a analisar o orçamento para ver qual ralo você pode tampar para equilibrar as finanças.

2 – Se não der para fechar nenhum, analise seu cardápio e entenda, através da sua engenharia de cardápio, qual é seu prato mais popular e qual é o prato com maior margem de contribuição.

Foque neles.

3 – Nada de mesa montada! Monte a mesa na frente do cliente, para que ele possa observar o cuidado que seus funcionários possuem com a higiene.

4 – Álcool gel disponível, né?

Espalhado em vários lugares do restaurante!

Nem preciso falar isso… rs

5 – Providencie máscaras sobressalentes para seus funcionários além de mais uniformes!

Máscara e avental de PVC inclusive para o visitante!

Ele precisa se paramentar para visitar a sua cozinha.

Deixe um POP com as orientações de limpeza e desinfecção ao lado do avental de PVC para que o funcionário possa realizar o procedimento de forma segura e correta, após o uso pelo visitante

6 – Já pensou em como vai selecionar seus fornecedores?

Você vai ter tempo de visitar cada um deles para saber se estão cumprindo as normas de segurança contra o covid-19?

Não!

Então peça ao seu gestor para elaborar um documento no estilo checklist, com todos os requisitos que o fornecedor precisa ter para estar “apto a entregar para você”.

Esse documento seria uma espécie de autodeclaração por parte do fornecedor.

Quem estiver apto, você mantém.

Além disso, esses fornecedores que você escolheu também serão avaliados no ato da entrega pelo estoquista (ou por quem for responsável pelo recebimento).

Na sua planilha de recebimento, apenas adicione uma coluna extra para que o seu funcionário possa fazer as devidas observações a respeito do fornecedor.

7 – VAMOS FALAR DE DINHEIRO? QUAIS AS EMPRESAS QUE EXISTEM PERTO DO SEU RESTAURANTE? Essa empresa possui funcionários, né?

E se você fizesse um contrato com essas empresas para fornecer o almoço dos funcionários a um preço diferenciado em relação ao preço aplicado no seu restaurante?

Penso que seria uma forma de aumentar a receita sem ter a presença física do cliente, afinal você vai ter que operar com a capacidade bem reduzida por conta da pandemia, não é mesmo?

Bem… era isso!

Espero que tenham gostado e que o artigo dessa semana tenha gerado uma reflexão em todos vocês!

Um nutribeijo!

Nathalia Ramos

Gostou deste artigo? Deixe seu voto abaixo!!

4.5/5 - (13 votes)