Este ano de 2020 vai ficar marcado na história, ele começou com muitas incertezas, dúvidas, medos por causa de um vírus que veio amedrontar e mudar a rotina de todos no mundo inteiro.

Afetou muitas pessoas fisicamente, mentalmente e infelizmente adoeceu, e trouxe, e ainda está trazendo muitas mortes…

Mas vamos passar por tudo isso juntos e sair mais fortes do que entramos.

Ouve-se muito falar sobre esse tal de coronavirus e da Covid-19.

E em meio a tantas notícias que recebemos, não sabemos o que é fake ou uma notícia real, não é mesmo?

Isso tem nos deixados muito confusos, sobre o que é este vírus,  o que devemos fazer para nos prevenir ou o que fazer após já ter manifestado a doença, por isso eu estou aqui para ajudá-lo a esclarecer um pouco mais sobre esse assunto.

Todas as informações aqui citadas foram tiradas de fontes confiáveis, tais como Organização Mundial de Saúde (OMS), Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Ministério da Saúde, FIOCRUZ – Fundação Oswaldo Cruz, Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério da Saúde e do artigo do Nutricionista funcional e Farmacêutico Bioquímico Gabriel de Carvalho, o introdutor da nutrição funcional no Brasil em 1999, Fundador e Diretor do Instituto de Nutrição Avançada.

Como se trata de uma doença recente, a cada momento novas descobertas estão sendo feitas.

Por isso, as orientações técnicas podem mudar a qualquer momento e é sempre importante verificar as datas das publicações dos conteúdos e buscar por informações atualizadas em sites de instituições confiáveis, como as fontes citadas acima.

Afinal, o que é o Coronavírus e Covid-19?

O Coronavírus é uma família de vírus que causa infecção respiratória.

 Em 1937, foram detectados em humanos os primeiros coronavírus e em 1965 ele recebeu esse nome por se parecer com uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectar com o tipo mais comum do vírus.

O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.

Ele provoca a doença chamada de COVID-19.

A Covid – 19 é uma doença causada pelo coronavírus SARS-COV-2, que gera um quadro clínico que varia desde infecções assintomáticas à quadros respiratórios mais graves.

De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% dos casos de Covid-19 podem ser assintomáticos ou leves, e se caracterizam por sintomas similares a um resfriado comum, como:

  • Tosse
  • Coriza ou congestão nasal
  • Dor de garganta
  • Febre

Já cerca de 20% dos acometidos podem requerer atendimento hospitalar por apresentarem:

  • Diarreia
  • Cansaço fora do comum
  • Febre alta e persistente
  • Respiração ofegante ou alguma outra dificuldade respiratória.

Os sintomas podem aparecer entre 1 a 14 dias após a pessoa ser infectada.

O mais comum é por volta de 5 dias, mas há pessoas que não apresentam sintomas.

Estudos mostram que a transmissão pode ocorrer mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas.

A transmissão ocorre de pessoa para pessoa por meio de secreções contaminadas, como:

  • Saliva
  • Espirro
  • Tosse
  • Catarro
  • Contato pessoal próximo, como toque de mãos e abraços
  • A contaminação também pode ocorrer por meio de objetos e ou superfícies contaminadas, como: mesas, cadeiras, celulares, corrimão, elevadores, embalagens de alimentos entre outros.

O diagnóstico da COVID-19 é realizado pelo profissional de saúde que deve avaliar a presença de critérios clínicos, como:

  • Quadro respiratório agudo acompanhado de Síndrome Gripal (sensação de febre acompanhada de tosse ou coriza ou dor de garganta ou dificuldade respiratória);
  • Dificuldade para respirar ou pressão persistente no tórax ou saturação de oxigênio menor do que 95% em ar ambiente ou coloração azulada dos lábios ou rosto, o que é chamado de Síndrome Respiratória Aguda Grave;
  • O histórico de contato próximo ou domiciliar com alguém infectado nos últimos 7 dias antes do aparecimento dos sintomas;

Caso você sinta algum sintoma de gripe, evite contato físico com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos e fique em casa por 14 dias sob observação.

Só procure um hospital de referência se estiver com falta de ar.

O Ministério da Saúde orienta que casos graves sejam encaminhados a um hospital para isolamento e tratamento adequado.

O Ministério da saúde disponibiliza o telefone 136 para tirar dúvidas e para orientar sobre o coronavírus/Covid-19.

Até o momento não há vacina, medicamentos, substâncias, vitaminas, alimentos específicos que possam prevenir e/ou curar a infecção pelo novo coronavírus.

De acordo com a OMS, Ministério da Saúde e as recomendações de prevenção à COVID-19 até o momento são:

  • Lavar com frequência as mãos com água e sabão e higienizar com álcool em gel 70%;
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos;
  • Evite tocar os olhos, o nariz e boca com as mãos sem lavá-las;
  • Mantenha uma distância mínima de cerca de 2 metros de qualquer pessoa tossindo ou espirrando;
  • Evite contato físico como abraços, beijos e apertos de mãos.
  • Higienize com frequência o celular e outros objetos de uso contínuo;
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos;
  • Limpe e desinfete com álcool 70% objetos de contatos que muitas pessoas tocam com frequência;
  • Utilize máscaras quando for sair de casa, elas são de uso individual e não deve ser compartilhada. As máscaras devem cobrir totalmente a boca e o nariz, e deve ser bem ajustada ao rosto sem deixar espaços entre o rosto e a máscara;
  • Fique em casa e só saia se realmente tiver necessidade e sempre lembrando dos cuidados de prevenção ao novo coronavírus. Evite aglomerações de pessoas;
  • Se você viajou para locais onde circula o vírus ou teve casos confirmados do Covid-19 neste local ou esteve em contato com alguém diagnosticado com a doença ou que apresente tosse, febre ou dificuldade para respirar, não se automedique e busque o atendimento médico imediatamente.

Fortalecimento do Sistema Imunológico

Com certeza você já foi infectado por algum vírus ou bactéria ao longo de sua vida, e essas infecções vão desde uma leve infecção à infecções mais graves, variando entre sintomas mais brandos e mais graves e podendo progredir ao óbito em algumas pessoas que estão com o sistema imunológico mais debilitado, e o que determina esse resultado é como está o seu organismo, a sua saúde no momento desta infecção.

Dependendo de como o seu organismo estiver, os microrganismos irão se desenvolver manifestando sintomas mais leves ou graves da doença e algumas vezes eles nem irão se manifestar, pois o próprio organismo irá combater os sinais/sintomas ou o desenvolvimento de alguma doença.

Manter uma alimentação saudável com outros bons hábitos, pode ajudar no fortalecimento do sistema imunológico das pessoas, o que pode ser útil na prevenção e/ou combate de algumas doenças.

No entanto, não chega a ser considerada como uma medida preventiva ou de tratamento na infeção por Covid-19.

Segundo o artigo Covid-19 e a nutrição funcional (maio de 2020) do nutricionista funcional Gabriel de Carvalho, o Ministério da Saúde, OMS e o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA, algumas doenças e fatores são considerados de risco para desenvolvimento e mortalidade pelo Covid-19, são eles: obesidade, diabetes, hipertensão, fumo, poluição do ar, deficiência de vitaminas e minerais (A, C, D, zinco e selênio), doenças cardíacas, problemas respiratórios como asma, doença pulmonar crônica, doença renal, doença hepática ou pessoas imunocomprometidas (HIV/AIDS, câncer, transplantadas) e idosos. 

A obesidade é o principal fator de risco na Covid-19, pois aumenta a gravidade da doença e está associada a necessidade de intubação nos casos graves da doença.

O diabetes influencia a imunidade, aumenta a inflamação e gera disfunção no sistema imune intestinal, aumenta o risco de internação e chega a 20% a mortalidade por Covid-19 em diabéticos que desenvolvem a doença.

O fumo aumenta o risco da forma grave da covid-19 e a necessidade de internações, pois o uso do tabaco inflama os tecidos pulmonares e as vias aéreas.

A maior exposição a poluição do ar gera processos inflamatórios e oxidativo nas vias aéreas.

Há estudos que comprovam que a vitamina D aumenta a imunidade e previne doenças respiratórias.

A produção da vitamina D, ocorre pela exposição da pele à luz solar.

O Zinco é um mineral essencial para o sistema imunológico, ele regula a atividade antiviral e antibacteriana.

A sua deficiência está associada ao aumento de doenças respiratórias, promove a inflamação sistêmica, a pessoa fica mais susceptível a pneumonia, sarampo, tuberculose e malária.

Sua deficiência é mais comum em idosos e pessoas com doenças crônicas como o diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão.

Ficar atento quando tiver diarreia pois aumenta a eliminação de zinco através das fezes.

A vitamina C é uma das vitaminas mais conhecidas por todos e muito fácil de ser encontrada nos alimentos, entretanto ela ainda é deficiente em algumas pessoas.

Ela é essencial na saúde do sistema imunológico, na prevenção de gripes e resfriados.

O Selênio é um mineral essencial ao organismo, e tem muitos benefícios para a saúde, tais como aumentar a resistência do sistema imunológico, prevenir doenças cardiovasculares, reduzir inflamações no corpo, prevenir o câncer, reduzir os sinais de envelhecimento precoce, equilíbrio hormonal e da tireoide entre outros.

A vitamina A é muito conhecida pela sua ação antioxidante, por fortalecer o sistema imunológico, na proteção da pele e muitas outras funções.

Os probióticos são bactérias benéficas que vivem no nosso intestino e traz vários benefícios para a nossa saúde, como por exemplo, melhoram a saúde geral do organismo, facilitam a digestão e a absorção de nutrientes, fortalecem o sistema imunológico, combatem e previnem doenças intestinais e regulam o trânsito intestinal, previnem a proliferação de bactérias ruins no intestino entre outras várias funções.

Quando a flora intestinal está em desequilíbrio o intestino acaba sendo povoado por bactérias ruins, prejudicando o sistema imunológico que deixam o organismo mais susceptível a doenças.

Dicas

  • Recomenda-se a prática de uma alimentação mais saudável, baseada em alimentos in natura, ricos em frutas, legumes e fibras, e o mais colorida possível, pois quanto mais cores, mais vitaminas e minerais e evite o consumo de alimentos industrializados, processados e ultraprocessados e siga as orientações presentes no Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério da Saúde, procure sempre um nutricionista para te orientar;
  • Pratique atividade física e sempre com a orientação de um profissional capacitado, pois a atividade física auxilia na redução da obesidade, no controle do diabetes e de muitas outras doenças, regula os níveis de exames laboratoriais, além de fortalecer o sistema imunológico e melhorar a qualidade de vida;
  • Tome bastante água diariamente. De acordo com o Guia Alimentar da População Brasileira, do Ministério da Saúde, a quantidade de água que deve ser ingerida vai variar de pessoa para pessoa, pois vai depender de alguns fatores, como a idade, o peso da pessoa, a prática ou não de atividade física, o clima e a temperatura do ambiente onde ela vive e o seu estado de saúde, mais a média de consumo é de pelo menos 2 litros de água por dia ou 35ml de água multiplicados pelo seu peso atual.
  • É possível controlar o diabetes através de hábitos alimentares saudáveis e de mudanças de hábitos.
  • Reduza a quantidade de cigarros fumados diariamente até parar de fumar de uma vez por todas;
  • Tomar sol diariamente aumenta a produção de vitamina D e consequentemente melhora o sistema imunológico, então vamos tomar sol pessoal, pois além de ser de graça é ótimo para a saúde.
  • Consuma alimentos fontes de zinco diariamente como por exemplo a semente de girassol e a semente de abóbora sem casca.
  • Faça a ingestão de alimentos ricos em vitamina C, que são encontrados nas frutas, legumes e verduras preferencialmente crus, tais como a acerola, laranja, brócolis.
  • Consuma alimentos ricos em selênio diariamente, como castanha do Pará, castanha de caju, atum, ovos, sementes de girassol entre outros.
  • Coma alimentos ricos em vitamina A, onde estão presente em maior quantidade em alimentos de cores vivas, como cenoura, mamão, brócolis, gema de ovos, semente de abóbora etc.
  • Faça o uso de alimentos ricos em probióticos naturais como o iogurte, o Kefir, leite fermentado, Kombucha (bebida fermentada), alimentos fermentados (picles) ou faça o uso de suplementos com probióticos.
  • Sempre que possível, entre em contato com a natureza, respire um ar mais puro, livre de poluentes.
  • Tenha mais qualidade de vida, passe mais tempo ao lado das pessoas que você ama.
  • Durante essa pandemia é normal se sentir estressado, cansado, confuso, triste e um monte de emoções que ficam à flor da pele. Converse com pessoas que você confia e que te passam segurança. Procure fazer, dentro do possível e com segurança, atividades que te deixam mais feliz, mais leve. Sorria mais, estresse menos.

Este artigo foi elaborado com a participação da Nutricionista Clínica: Maria da Glória Medeiros Vitorino Rodrigues de Abreu – CRN 1- 5735 – Brasília – DF

Lembrem-se sempre vamos passar por tudo isso juntos e vamos sair mais fortes do que antes, mais resilientes.

Jaciara Terra

Fontes consultadas:

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 156 p. Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coronavírus COVID-19. Disponível em: <https://coronavirus.saude.gov.br/>.

CARVALHO, Gabriel. Covid-19 e Nutrição Funcional. A infecção pelo novo corona vírus (SARS-COV-2), a gravidade da covid-19 e a nutrição funcional: uma visão integrada. Versão 1.0 30/04/20. https://gabrieldecarvalho.com.br/.

FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz. Covid-19 / Novo corona vírus. Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/coronavirus>.

MALAVÉ, Mayra. FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz.  Especialistas tiram dúvidas sobre alimentação e corona vírus. Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/noticia/especialistas-tiram-duvidas-sobre-alimentacao-e-coronavirus>.

 OPAS/OMS. Organização Pan-Americana de Saúde / Organização Mundial de Saúde. Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875>.