Como o manejo de resíduos pode contribuir de forma positiva para seu estabelecimento?

Muitas vezes, o adequado manejo de resíduos no setor de alimentação não é prioridade para os donos desse tipo de negócio.

Tendências de decoração, espaços kids e outras novidades da moda costumam ser mais priorizadas para atrair e fidelizar clientes.

Porém, existe uma grande oportunidade que pode passar despercebida no meio de tantas novidades no mercado.

Dentre elas, a transmissão de uma imagem “eco-friendly” é uma forte tendência que pode trazer diversos benefícios para o seu estabelecimento.

Você já ouviu falar em Marketing verde?

Você sabia que essa estratégia de marketing pode ser muito eficaz?  

E você sabia que investir nas boas práticas para o manejo de resíduos pode ser uma forma de conseguir vantagens competitivas no mercado de alimentação?

O Marketing verde, também chamado de ecomarketing ou marketing ambiental, é uma estratégia de marketing focada nos benefícios ou na ausência de malefícios para o meio ambiente.

Vale falar sobre os próprios produtos comercializados, sobre o modo de produção, ou, até mesmo, sobre a postura e o posicionamento da empresa em relação às questões ambientais.

Ou seja, o marketing verde consiste em vender uma imagem positiva relacionada à consciência ecológica.

Não é novidade que a vigilância sanitária cobra uma atenção especial para o manejo de resíduos em serviços de alimentação.

De acordo com a RDC 216/04, o manejo de resíduos em serviços de alimentação deve ser realizado da seguinte maneira:

  • Os recipientes destinados para conter os resíduos devem ser identificados e íntegros, de fácil higienização e transporte e em número e capacidade suficientes de acordo com a demanda do estabelecimento;
  • Os coletores utilizados para deposição dos resíduos das áreas de preparação e armazenamento de alimentos devem ser dotados de tampas acionadas sem contato manual;
  • Os resíduos devem ser frequentemente coletados e estocados em local fechado e isolado da área de preparação e armazenamento dos alimentos, de forma a evitar focos de contaminação e atração de vetores e pragas urbanas.

O cumprimento dessas normas básicas evita riscos de contaminação cruzada entre os resíduos gerados e os alimentos produzidos.

Todavia, visto que o manejo correto de resíduos é um tema que abrange também a gestão ambiental e a minimização de impactos ambientais, podemos utilizar esses conceitos em outras estratégias competitivas para o mercado de alimentação e pensar fora da caixa.

Dessa forma, por que não aproveitar a oportunidade para proteger o meio ambiente e ainda utilizar do marketing verde para conscientizar as pessoas em relação às questões ambientais?

Além da obrigatoriedade de tomar cuidado com a manipulação do lixo, é importante pensar também nas oportunidades que podemos aproveitar dentro de cada norma de Boas Práticas que precisamos seguir.

É muito fácil perceber que se comprometer com o desenvolvimento sustentável é uma das ações marcantes e comuns entre os empreendimentos de sucesso ao nosso redor, e isso não é diferente para os negócios de alimentação!

Cuidar do meio ambiente não é mais considerado algo opcional na opinião de muitos consumidores.

A necessidade é visível e a falta de responsabilidade ambiental pode prejudicar até mesmo na fidelização de clientes.

Mas como começar a implantar uma cultura ambientalmente responsável em um serviço de alimentação?

O primeiro passo pode ser a padronização dos processos relacionados à destinação adequada dos resíduos de acordo com as legislações sanitárias.

Para que as normas de boas práticas sejam executadas corretamente, é muito importante elaborar e seguir um POP (Procedimento Operacional Padronizado) para garantir que as atividades relacionadas ao manejo de resíduos sejam feitas sempre da mesma maneira.

Este documento garante que o lixo não se torne fonte de contaminação para os alimentos produzidos e garante também que os resíduos sejam separados da melhor maneira possível.

Legislação Federal – Manejo de Resíduos

Além de atender às exigências da RDC 216/04, é possível acrescentar outras informações no POP, como as cores das lixeiras de coleta seletiva, horários de coleta e contatos de catadores de rua para recolher materiais recicláveis, por exemplo.

Feito isso, é possível utilizar este primeiro POP como um pontapé inicial para executar vários projetos que se encaixam dentro da proposta eco sustentável.

A adoção de conceitos como otimização de recursos, redução de desperdícios e responsabilidade ambiental é essencial para a saúde financeira do negócio, para a proteção do meio ambiente e para a imagem e reputação da empresa no mercado.

E é exatamente aí que entra o uso do marketing verde.

Não basta apenas transmitir uma imagem de consciência, é imprescindível que o empreendimento tenha atitudes que demonstrem responsabilidade ambiental.

Existem diversas outras possibilidades de ações que podem ser adotadas (e divulgadas!) à partir da padronização do manejo de resíduos:

  • Coleta seletiva do lixo com separação de materiais recicláveis;
  • Uso de embalagens sustentáveis;
  • Redução do uso de descartáveis e aumento do uso de materiais reutilizáveis;
  • Divulgação de cartazes educativos para clientes;
  • Eventos e promoções especiais com a temática da proteção do meio ambiente;
  • Redução do uso de papel nas comandas;
  • Utilização de itens de decoração reciclados;
  • Doação de resíduos orgânicos para produzir adubos, dentre muitas outras opções.

Que tal transformar seu estabelecimento em um negócio “eco-friendly”?

O meio ambiente e seu bolso agradecem!

Conte com a ajuda de um consultor de alimentos para inovar em ações e ideias para o marketing verde da sua empresa.

Luiza Dutra

Você gostou deste artigo? Deixe seu voto abaixo!

4.7/5 - (7 votes)